Afinal de contas, qual a diferença entre baixo e guitarra?

Afinal de contas, qual a diferença entre baixo e guitarra?

Sim! Elas existem. E nem são tão sutis assim. A começar pela quantidade de cordas do instrumento. Enquanto o baixo possui 4 cordas a guitarra possui 6, no entanto, há variações de contrabaixo com 5 e 6 cordas também. As cordas do baixo são afinadas de acordo com as 4 últimas da guitarra, porém, uma oitava abaixo (mais grave).

O tamanho do baixo é consideravelmente maior e o som produzido é mais grave do que o som da guitarra. Em comparação com a guitarra, os baixos de 5 cordas normalmente possuem uma mais grave que é afinada em Si, e os de 6 cordas têm uma nota mais grave e uma mais aguda, a grave em Si também e a aguda em Dó.

No entanto, o responsável pela evolução do modelo acústico para o elétrico dos 2 instrumentos foi o mesmo: Leo Fender. Clarence Leonidas Fender fundou a Fender Electric Instrument Manufacturing Company, hoje conhecida como Fender Musical Instruments Corporation. Precursor de uma das maiores companhias de guitarras e baixos do mundo, o técnico em eletrônica de 42 anos, que morreu aos 81 anos em 1991, não sabia sequer afinar uma guitarra. Curioso e interessante, não?

E se até então você não sabia a real diferença entre esses dois instrumentos, não fique acanhado. Saiba que o vocalista da banda norte-americana R.E.M, Michael Stipe, também não tinha ideia da diferença entre baixo e guitarra. “Eu só sabia que o baixo tinha quatro cordas porque eu sabia contar, mas não sabia que ele tinha notas graves”, contou à Rede de rádio e televisão do Reino Unido BBC.

Ao tocar um instrumento musical existe algo chamado digitação, que nada mais é do que a disposição dos dedos e mãos de um instrumentista. Nos instrumentos de corda (assim como nos teclados), a digitação é estabelecida não apenas pela nota em si, mas pela forma mais adequada para a interpretação do som. Por isso, engana-se quem pensa que ao saber tocar guitarra, necessariamente se sairá bem no baixo. A distância entre as cordas é maior e a digitação pode ser uma dificuldade, da mesma forma que o contrário também é verdadeiro.

A função de cada um

A guitarra elétrica tem sempre o som amplificado eletronicamente. O som produzido manualmente pela vibração das cordas é transformado em sinal elétrico por conta de captadores magnéticos. Esses sinais podem ser amplificados e emitidos por um alto-falante que converte os sinais elétricos em ondas sonoras. E é a alta potência do som e a possibilidade de alteração eletrônica de diversas características do timbre, que garantem o uso de guitarras especialmente no rock, jazz, blues e pop.

Já a aceitação do baixo elétrico no início dos anos 50 teve alguma resistência, já que os instrumentistas notaram certa diferença ao tocar. Mas com o boom do rock ‘n’ roll na década de 60 os baixistas se renderam à evolução do instrumento e fixaram definitivamente a presença do baixo nos palcos.

De modo geral, os baixos (com 4 cordas) são afinados com as mesmas notas que as 4 últimas cordas de uma guitarra, porém, cada uma delas uma oitava acima, uma oitava mais grave. Além disso, é o baixo um dos grandes responsáveis por equilibrar o ritmo das músicas. Embora seja um instrumento melódico e harmónico é, antes de tudo, um instrumento de marcação por excelência.

Você já teve a oportunidade de ouvir cada um dos instrumentos individualmente? O que achou mais interessante? Compartilhe com a gente!


Belas Artes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre em contato!

Não estamos online no momento. Mas fique a vontade para nos enviar uma mensagem!

Ótimo! Agora escreva a sua dúvida!

Clique ENTER para enviar!